(Tentando) Crescer e aprender.


Querida Horta,

Escrevo-te um post Outonal cheio de sapiência recém-adquirida e provavelmente com uma boa dose de presunção. Mas não foi por mal.

Hoje é um dia em que me apetece encher de beijinhos este blog. Porque sempre esteve aqui, nos bons e maus momentos. E porque me viu crescer. E porque é Outono e há castanhas, e é tudo tão lindo. 

Não liguem, esta é a minha estação. Cheira tudo muito bem e há castanhas. E depois faço anos e depois é Natal. Como não amar?

 E estou nostálgica porque vou em breve começar outra aventura.

A Vida é uma caixinha de surpresas maravilhosa. A única coisa boa de não ver sempre isso é que me posso surpreender de todas as vezes.

Muitas, muitas, muuuitas batatinhas*


9. Give 14 pieces of advice to a teen who is graduating high school.


Pode pensar-se que terminar o Secundário é dos momentos mais desconcertantes da nossa vida. Tantos sonhos a fervilhar, tantas incertezas adolescentes que despoletam acerca do Futuro e do Presente. Tantos “onde é que me vou meter a seguir?” e “Será que vou tomar a escolha certa?”. No entanto, do alto da vasta experiência de vida de alguém que acabou de terminar um curso superior, este momento em nada se assemelha ao que sentimos quando termina o porto seguro que foi estudar (na concepção tradicional da palavra).

Até ao momento em que terminamos o curso superior, houve sempre um próximo passo garantido. Até mesmo o pressuposto momento assustador de escolher o curso é nada mais que um passo seguro. Nada mais que um “vou experimentar a ver se cola, e se não colar, há outro à escolha”. É apenas quando esse nível fica concluído, e não aparece a próxima plataforma que se irá encaixar a seguir, que nos apercebemos que estamos na pontinha do abismo. E que é desse abismo que as escolhas são feitas. E se por um momento é avassalador e assustador, por outro é magnífico e mágico. É o momento em que sentimos que somos donos do nosso destino. Está tudo em aberto, num mundo inteiro de possibilidades por descobrir, e no qual verdadeiramente temos o poder de escolha sobre o que fazer a seguir.

A menos que se trate de alguém que tenha todas as certezas sobre o que quer ser quando for grande (o que pode mudar – e muda, certamente), a maioria de nós vai descobrindo o caminho à medida que o faz. E dessa maioria, há uma pequena percentagem que é afortunada por se apaixonar por alguma coisa, e que, por isso, deseja fazer algo diferente e ir mais além. A meu ver, o mundo tem cada vez menos dessas pessoas. Pessoas que não têm medo de arriscar, de sair da zona de conforto e procurar o lugar menos seguro, pois é nesse lugar que se situam as grandes conquistas. A verdadeira vanguarda é no inexplorado. Parece-me, no entanto, quase impossível não entrar na máquina que nos achata a todos com as mesmas proporções, e nos robotiza, removendo-nos os sonhos (basicamente, um Dementor do mundo corporativo).

Claro que nenhuma das opções é perfeita. A grande questão é, de todos os almoços que não são grátis, qual aquele que tem a conta mais leve? Para muitos, a segurança da “máquina Dementor do achatamento” vale mais do que o thrill de arriscar. Para outros, a doença infindável de movimento, de chegar a um objectivo tão aparentemente intangível que só aumenta a vontade de o atingir, é algo que a segurança não consegue pagar. No fundo, tudo se resume a objectivos. Se o objectivo a médio prazo incluir casa própria com a cerca branca, carro, família, e uns euros certos no banco, um emprego certo consegue resolver. Se, por outro lado, o objectivo for crescer para além dos horizontes que nos foram impostos, então não há estabilidade alguma (monetária, de relacionamentos, emocional, geográfica,…) isso é certo. Mas a recompensa pode ser infinitamente maior. Trata-se, assim, de escolher o que for mais recompensador. Para cada um.

Trata-se de perceber que sonhos são esses que temos e que reprimimos tantas vezes.

Trata-se de arriscar ou sonhar eternamente.

Na verdade, o que importa verdadeiramente é sermos fiéis a nós próprios. E ninguém tem de ser obrigado a ser de uma determinada maneira. Exactamente porque não existem pessoas iguais – existem naturezas diferentes, existem personalidades e missões de vida distintas em todos nós. Exactamente porque todas as opções têm o seu lado lunar. Por exemplo, no meu caso pessoal, imaginar o Futuro dói-me, quase fisicamente. Por olhar lá longe e não ser jovem para sempre. Por pensar em tanta coisa que quero fazer e experimentar, e tantos lugares onde quero ir. E saber de antemão que isso muito provavelmente corresponde a não ter um ninho quietinho com periquitos meus. E saber de antemão que muito provavelmente se tiver esse ninho vou sentir as pernas presas (ou as asas atadas (?) ). É nesses momentos que é importante parar, sem pressões. Respirar e perceber qual a nossa essência no momento Presente. O que queremos agora. Ir onde sentimos que é certo ir. E tudo ficará bem. Porque evoluímos, e tudo se desenrola segundo um guião certo, desde que sigamos os nossos instintos.

Com isto, termino este pensamento dizendo que todos estamos cá por algum motivo. Todos temos a oportunidade de fazer a diferença no Mundo e deixar a pegadinha do dinossauro para gerações vindouras poderem usufruir. Mas não temos de ser todos iguais. E lá porque eu sou uma pulga irrequieta (ou periquito, já não sei), nem toda a gente tem de o ser, pois todas as personalidades são necessárias para se atingir o equilíbrio. Na verdade, se não fossem essas pessoas que me prendem um bocadinho os pés ao chão, os meus problemas de foco, porque vejo potencial em quase tudo, seriam infinitamente piores.

Creio, no entanto, que é essencial compreendermos a noção da efemeridade da Vida. E da sua unicidade. Que se não fizermos o que desejamos enquanto cá andamos, não vamos fazer nunca. E que desperdício que é.

É por isso que acho fundamental apostar no desenvolvimento pessoal, sendo isto válido para todas as personalidades. Aprender uma língua, sair da zona de conforto (nem que seja só uma vez), meditar (e não, não precisamos de uma toga, cabelo rapado, nem de “Ooohm”. Basta perder um tempo para conversarmos connosco próprios – esse ser com quem temos que obrigatoriamente conviver), até escrever baboseiras num blog (say what?), ou um diário, agradecer muito todos os dias, nem que seja pela chávena de café que acabámos de beber – pois assim focamo-nos nas coisas boas da vida; fazer exercício, ler... E não é preciso muito tempo, nem fazer tudo no mesmo dia. Tudo isto é essencial para fazermos as escolhas acertadas, e seguirmos o que sentimos no nosso coração ser certo. Tudo isto é essencial para conseguirmos ouvir a voz que mais está certa, a do nosso instinto, e poder equilibrá-la com a voz racional.

Assim, depois de tudo isto, os 14 conselhos que daria a alguém que acabasse o Secundário, ou que me daria a mim própria (apesar de achar que tudo o que fiz contribuiu para quem sou agora, e que portanto, provavelmente não mudaria nada) são:

1.    Escolhe um curso que te permita verdadeiramente aprender alguma coisa válida para poderes usar no futuro. E não apenas por ser um curso. Compreende que, mais que uma formação, o teu curso dá-te ferramentas para pensares, conhecimentos de pessoas que te podem ajudar, e oportunidades para explorares outras coisas.

2.    Envolve-te em actividades extra-curriculares. Pode ser o primeiro passo para saíres da zona de conforto. Tens a oportunidade de descobrires o que gostas de fazer (e o que não gostas!) enquanto enriqueces o currículo.

3.    Não entres em ebulição pela pressão de não fazeres as cadeiras todas. Há tempo para tudo. E se não foi por falta de esforço, aconteceu porque tinha de ser assim mesmo. Foi para algo melhor ter tempo de chegar.

4.    Aproveita para aprenderes línguas e viajares. Acabei de me aperceber que chegou aquele momento em que tenho 1 mês de férias por ano. Not cool. Desafia os teus pais ou amigos, junta umas poupanças e aproveita esse tempo todo livre para conheceres lugares e pessoas.

5.    Enriquece as tuas capacidades de networking. Participa em congressos e fala com as pessoas. Teres um diploma na mão não te garante nada no fim do curso. Já as pessoas que conheces pelo caminho podem ser as primeiras a estenderem-te a mão e a apresentarem-te a desafios aliciantes. Além de que nunca é demais ter a oportunidade de conversar com pessoas interessantes, pois são cada vez mais escassas.

6.    Nem tudo são rosas. A vida académica tem todo o glamour de festas e farra associado. Mas se escolhes um curso com um futuro minimamente promissor, tens que optar muitas vezes entre o livro e a imperial.

7.    Junta-te a alguma coisa que te faça feliz. Pode parecer tolo, mas é importante. Principalmente se o curso é muito exigente e te tira muito tempo, é bom veres que há algo em que podes libertar as energias e conviver com pessoas de outros círculos. 

8.    Quando acabares o curso não tens as respostas todas. Escrevo isto porque só agora me apercebi que ser adulto é exactamente não ter as respostas todas. Aliás, é ter ainda mais perguntas do que anteriormente. Costumava olhar para os adultos lá no alto e querer ser como eles, porque sabiam tudo e lidavam com contas e telefonemas sérios sem qualquer problema. Big mistake. A vida é uma Selva e ninguém nos ensina a ser macacos, ou Tarzan… ou o que seja.

9.    Se tens um sonho, persegue-o. Nem toda a gente tem a coragem de arriscar tudo para seguir o que quer realmente. Acredito que se fores alguém que arrisca, no fim, recolherás todas as recompensas. Confia no teu instinto.

10. Nem toda a gente vai ser teu amigo. Nem toda a gente vai querer que sejas bem-sucedido. Prepara-te para te esconderem apontamentos, sebentas e exames resolvidos. Mas dá sempre o que tiveres. Creio que quem confia em si próprio e acredita nas suas capacidades, não tem problemas em partilhar. Porque sairá sempre vencedor.

11.  É ao crescer que dás por ti a fazer coisas de que não te orgulhas. Contraria isso e sê a melhor versão de ti mesmo. Dá a mão e serás recompensado. Mas se acontecer, não te martirizes. Da próxima vez, dás o dobro. O que importa é reconhecermos os nossos erros e crescermos com eles.

12.  Tem calma e olha para dentro de ti. Andamos todos ao mesmo, e aquela pessoa super segura e bem sucedida, tem tantos ou mais dilemas do que tu. Sê melhor do que tu próprio, e compete apenas contigo.

13.  Aprecia a viagem. Quando deres por ti, já terminou. Damos por nós a viver sempre a pensar no amanhã, quando é agora que vivemos. Sem querer ser pirosa, mas falhando, chama-se Presente porque nos foi oferecido. Aprecia cada momento. Diverte-te com os bons, e aprende com os maus. Have fun.

14. Sê tu mesmo. Sempre. Em todas as ocasiões. Mas não tenhas medo de evoluir e não sejas tacanho ao ponto de te fechares nos teus medos e teimosias. Eu sou teimosa, sei do que falo. Experiencia e vive, mantendo-te fiel à tua essência.

15.  Be happy, be free. O Mundo não tem fronteiras. (Este foi gratuito)


                                                                                                                                                       

Progress: 6/30
1. Describe yourself from your pet’s point of view.
2. Share the most incredible thing you’ve ever seen in the most boring tone possible.
3. Provide your stream of consciousness during the the worst nightmare you’ve ever had.
4. Write about leaving home. 
5. Pick ten sayings for a fortune cookie that you would never want to see come true.
6. You wake up with a key gripped tightly in your hand. How did you get this key? What do you do with this it?
7. Write a compelling argument pushing the worst advice you’ve ever been given.
8. Describe heartbreak.
9. Give 14 pieces of advice to a teen who is graduating high school.
10. Write the autobiography of the life you weren’t brave enough to lead.
11. Write a love story from end to beginning.
12. Pick a person you can’t stand and write a letter describing every wonderful thing about them.
13. Write a love scene from the point of view of your character’s hands.
14. Turn the thing that makes you the angriest into a poem.
15. Write about the way things should have been.
16. Write your own obituary honestly.
17. The person you loved who didn’t love you back.
18. A coffee date with the person you were a year ago.
19. The horrible secret the grocery clerk was hiding.
20. Write a love story starring your algebra teacher.
21. Write a letter to your future self.
22. Write about writing.
23. You approach a stranger on the street and ask them to tell you one thing they have never told anybody. What do they tell you?
24. You only have room for 5 things on your bucket list – what are they?
25. Describe the exact day you just had, but from the point of view of a psychopath.
26. Personify regret.
27. Write the back cover of the fiction novel that is based on your life in high school.
28. Detail the adventures of a day where you say “Yes” to everything.
29. How do you feel about love these days?
30. Write ten facebook status updates written by yourself in 2025. 





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Words don’t come easily

A minha pachacha caiu dentro da sanita. E não o fez com glamour.